Existe um dispositivo elétrico que, pelo seu princípio de funcionamento, pode proteger as pessoas em uma casa contra choques.Este dispositivo é chamado de Interruptor de Corrente de Fuga  ou Interruptor Diferencial Residual ou Dispositivo Diferencial Residual. A Pial abrevia para “IDR” e você também vai encontrar como “DDR”, mas a sigla oficial é “DR” apenas.

O DR não é (e não serve como) um “disjuntor”, apesar de se parecer um.

Princípio de funcionamento : o DR é conectado em série com um circuito inteiro (ou a casa inteira) e passam por ele tanto o fio fase quanto o neutro. O DR então compara constantemente a corrente que passa pelo fio fase com a que volta pelo fio neutro. Se houver diferença, existe uma fuga para a terra. Se essa diferença for maior que a corrente de gatilho, o DR desarma (desligando a energia) em alguns milisegundos.

Essa fuga pode significar duas coisas:
Alguém está levando um choque;
Existe um outro “vazamento” de corrente em algum lugar
O DR tem essas duas finalidades. Proteger pessoas e proteger patrimônio.

O problema de se instalar o DR em uma residência é justamente manter “2″ sob controle.

Os interruptores diferenciais residuais IDR interrompem a energia do circuito sempre que houver uma corrente residual de fuga entre 15 e 30 mA nas instalações elétricas residenciais.

Desde 1997 a utilização do IDR/DR de alta sensibilidade é obrigatória conforme norma da ABNT NBR5410 que padroniza as instalações elétricas brasileiras. OBS: O fio terra não pode ser ligado no IDR.

CORRENTE DE FUGA E RESIDUAL:

É toda corrente (energia) que foge do circuito elétrico, normalmente causada por falha da isolação dos fios.

A energia proveniente do “vazamento” pode ir para a terra através do condutor terra ou n a falta deste, ficar residindo na carcaça dos equipamentos (eletrodomésticos) até que alguém ao tocar o equipamento possa fazer o papel de condutor terra e assim permitir a passagem da corrente elétrica através de seu corpo.

Fonte: Seu eletricista.